A internet como ferramenta de mobilização política

A internet como ferramenta de mobilização política

A internet como ferramenta de mobilização política
A internet como ferramenta de mobilização política

Descontentes com as instituições políticas tradicionais, os jovens brasileiros consolidaram a Internet como instrumento alternativo para mobilização social, mostra pesquisa feita pelo Datafolha em parceira com a agência de publicidade Box. Para 71% dos entrevistados, é possível fazer política usando a rede sem intermediários, como os partidos.

O dado, segundo especialistas ouvidos pela Folha, revela um esgotamento do modelo tradicional de mobilização e impõe um desafio aos que pretendem assumir a representação dos jovens.

A pesquisa compreendeu uma fase qualitativa, a que se seguiu um painel quantitativo. Neste, foram entrevistados 1.200 jovens com idade entre 18 e 24 anos, em cidades de quatro regiões do país.

“Esse jovem pensa a política de forma menos hierárquica e mostra uma descrença em relações às instituições formais, como partidos ou governo”, diz Gabriel Milanez, pesquisador da Box.

Internet desintermedia a discussão política

O sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirma que “a juventude se comunica diretamente”. “Ela salta instituições. É preciso uma liderança que faça a ponte entre a sociedade e a necessidade de organização institucional”, disse à Folha.

Exemplos desse “salto” ficaram frequentes no noticiário dos últimos meses.

No Egito, por exemplo, a imagem da praça Tahrir tomada por manifestantes organizados pela Internet tornou-se símbolo da queda do ex-presidente Hosni Mubarak. No Brasil, em proporção ainda reduzida, o poder de mobilização das redes sociais também já aparece.

Por fora dos partidos e das organizações tradicionais da juventude, organizaram-se protestos como as marchas da Maconha e da Liberdade, assim como o Churrascão da Gente Diferenciada, contra moradores de Higienópolis, na capital paulista, que fizeram oposição à construção de uma estação de metrô.

Para o professor de filosofia da USP Vladimir Safatle, são eventos que apontam para um momento de transição.

“A forma partidária chegou a um esgotamento e as demandas vão se expressar de uma nova forma. Há, no entanto, uma questão em aberto, que diz respeito a como a sociedade vai se organizar a partir daí”, diz.

Marco Magri, um dos coordenadores da Marcha da Maconha e ativista de outros movimentos organizados pela rede, reconhece a “falência” do que chama de “política institucional”. “O descontentamento com esse modelo se reflete no tamanho das mobilizações que anônimos conseguem promover.”

“Essa política tradicional está fadada a perder espaço. E a nós caberá o desafio de levar aqueles que se mobilizam na internet às ruas, que é o que provoca algum resultado”, avalia.

Artigos Relacionados

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Marketing Político

SEO no Marketing Político Digital

SEO no Marketing Político Digital Acredite, mas fazer SEO em marketing político é possível sem que com isso você acabe ferindo a ferir a legislação...

Mais Lidos em Marketing Político

Últimas Publicações

Buscar no Site